At.2:1-4

“Cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; e, de repente, veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.”

Em meio á dias tão corridos, ainda é possível encontrar pessoas que se firmam em seu propósito diante de Deus.

A busca incessante dos quase cento e vinte nos encanta. Que sejamos conhecidos pela perseverança em Deus, pelo anseio por Sua Presença e pelo desejo de um mover envolvente com o Espírito de Deus.

Dentre as infindas lições da descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes, em poucas sementes vamos cultivar e manter este mesmo poder.

Em primeiro lugar é um privilégio de minha parte poder dizer que, o mesmo poder do Espírito Santo dado aos apóstolos é o mesmo concedido nos dias de hoje.

Assim como temos a mesma fé dos patriarcas, temos a graça de sentir e viver na mesma plenitude do Espírito experimentado pelos apóstolos.

A promessa é para todos quantos nosso Senhor chamar, não existe uma medida do Espírito para as gerações, o mesmo poder que impelia Sansão para rasgar um leão como se fosse um cabrito ao meio, é o mesmo impulso que te leva a vencer todas as batalhas.

Em segundo lugar, o poder do Espírito Santo não é automático, não é quando se termina de contar três, não é de segurar na mão do “tocha”, do “labareda”, o poder do Espírito Santo é de repente.

O de repente de Deus, não acontece enquanto houver murmuração.

O de repente de Deus, não acontece enquanto houver traição.

O de repente de Deus, não acontece enquanto houver falsificação.

O de repente de Deus, não acontece enquanto houver dissensão.

O de repente de Deus, acontece enquanto houver reunião.

O de repente de Deus, acontece enquanto houver união.

O de repente de Deus, acontece enquanto houver oração.

O de repente de Deus, acontece enquanto houver comunhão.

Em terceiro lugar, o poder do Espírito não é só para a experiência de um dia. É o domínio de Deus dentro de nós. É a promessa da qual disse Jesus “falarão novas línguas”. Não vamos nos prender á detalhes “sobre evidências ou não”, vamos olhar para um mover do Espírito Santo na vida de uma pessoa cheia Dele.

Não existe nenhum problema com o poder que Deus dá, o problema está em cada um “administrar o poder que Deus dá” (1Pe.4:10-11), visando a glória única e intransferível á Deus.(Sl.115:1)

O poder que Deus dá é para hoje, a alegria de receber o poder hoje deve ser a mesma com o passar das horas, dos dias, dos meses e dos anos.

Que Deus nos ajude a manter este poder.

Porque o poder do Espírito Santo, ajuda.

Porque o poder do Espírito Santo, ensina.

Porque o poder do Espírito Santo, guia.

Porque o poder do Espírito Santo, revela.

Porque o poder do Espírito Santo, sustenta.

O poder de Deus não precisa de manutenção, pois ele se sustenta por si só, agora quem precisa esforçar-se somos nós, porque não conseguimos no sustentar sozinhos. Somos totalmente dependentes do Espírito Santo.

Viva o poder de Deus hoje, mas viva-o de tal forma que ele seja assistido com carinho, cuidado e comunhão.

O poder do Espírito é um presente de Deus, mantenha este poder.

O pré-pentecoste fala de preparação, o pentecoste fala de aceitação, e o pós-pentecoste fala de continuação.

O pré-pentecoste é trabalhoso, o pentecostes é glorioso, mas a vida pós-pentecoste dever ser, o mais prazeroso.

Trabalhe! Faça o que for preciso para preparar o coração para o poder do Espírito Santo.

Aceite o poder de Deus sem dúvida sobre sua vida para o dia de hoje.

Continue para uma vida cheia da unção do Espírito Santo.

Mantenha este poder.

Deixe seu comentário:
Fernando Cardoso
Fernando Cardoso
Casado, pai e serve a Deus na AD Perus Catedral.
EBFO 2019