A escolha que não vale a pena: Tratar com leviandade

“…o amor não trata com leviandade…” 1Co.13:4d

O amor não anda de mãos dadas com a imprudência, com a irreflexão, com a irresponsabilidade, com a insensatez, com a insensibilidade; porque o amor calcula prudentemente; pensa refletidamente; age responsavelmente; procede sobriamente; sente perceptivelmente; portanto, o amor é sábio, e não leviano.

Ausente de compromissos, isento de responsabilidades, de atitudes loucas e sem noção, sem papo na língua, fala o que dá na telha, dá com os ombros, faz vistas grossas, não está nem ai, brinca com sentimentos, menospreza o sofrimento alheio, o que importa é sua abundante ociosidade, isso, e coisas semelhantes a estas, estão presentes na vida de uma pessoa que sofre seriamente de falta de amor e trata com leviandade.

Não precisaria ser por este caminho; mas, certas situações, somente um baque, pode corrigir um leviano. A melhor correção será a sua própria colheita, até que entenda que: Pessoas não são objetos, sentimentos não são brinquedos; tratamentos não podem ser irrefletidos. É preciso ir com calma.

Pessoas levianas possuem um espírito de Adoni-Bezeque, que trata pessoas como árvores, cortando-as em razão dos seus deleites. Pessoas levianas possuem um espírito de Nabal, que não se importa em ajudar. Pessoas levianas possuem um espírito de Nabucodonosor, que apenas olha a sua grandeza e submete vidas a se encurvarem. Pessoas levianas possuem um espírito de Jezabel, que compra pessoas como mercadorias pelos seus próprios interesses, principalmente profetas. Pessoas levianas possuem um espírito como de Diótrefes, que tem o prazer na primazia, contanto que seja ele só, ainda que tenha que lançar alguns fora da igreja. Mas, para Adoni-Bezeque, teve Judá e Simeão, para Nabal, teve um Davi que confiou em Deus, para Nabucodonosor, teve um Deus no céu que não divide sua glória a ninguém, para Jezabel, a irremediável, a profecia sobre seu trágico fim se cumpriu, para Diótrefes teve um João que sabia de tudo o que estava acontecendo.

Parece que não; mas pessoas levianas não amam, porém, pessoas levianas são almas. Pessoas levianas não merecem nada de bom aos nossos olhos; mas, biblicamente podem ser alvos da maior terapia que simbolicamente  se “quebram” pernas chamada de compaixão.

Pense mais sobre isso, sobre o que a compaixão fez e faz. Como no exemplo de Davi, cortando o manto de Saul que o perseguia, ou como o exemplo de José, dando presentes para seus irmãos, que haviam anunciado a todos que já era morto; ou o exemplo de Jesus, colocando a orelha do soldado de Malco no lugar, quando estava para prender. Bendita compaixão. Bendita compaixão que revela o amor que não trata com leviandade.

A melhor escolha é aquela que parte do amor.

O amor não trata com leviandade. Até a próxima meditação.

Deixe seu comentário:
Fernando Cardoso
Fernando Cardoso
Serve na Deus na AD Perus Catedral. Casado, pai de dois filhos.
CONTRIBUIR