Durante plenária convencional, presidente ressalta importância do Regimento Interno

Pr. Dr. Elias Cardoso

DA REDAÇÃO – No expediente convencional, o pastor doutor Elias Cardoso, presidente nacional da AD Perus, fez uso do Regimento Interno para recordar a liderança acerca do importante papel que o compêndio exerce em meio à existência da igreja em meio aos membros. Enquanto o estatuto tem por objetivo cuidar de assuntos internos e externos da instituição, o Regimento Interno cuida de assuntos exclusivamente internos.

“Promovemos o Seminário de Gestão Administrativa e Financeira como o primeiro ato da EBFO/Convenção 2018. O problema é que ainda paira nalguns o ‘espírito de Judas’ especialmente nas questões financeiras, ou seja, obreiros que estão mais preocupados com os valores que entram na salva que propriamente com o culto. Precisamos de atuar sob uma gestão calcada em extrema fidelidade e transparência”, advertiu.

Buscando aprimorar o corpo de obreiros, apresentou vários exemplos onde a infidelidade acabou inviabilizando as respectivas trajetórias. “Gente que ostenta carro com valores da ordem de R$ 80 000,00 e que quando você busca no sistema, dizimou míseros R$ 50,00 ao mês. Poxa, se admite enganar-se a si, como seria a trajetória de um homem desse perante à obra divina”, salientou, levando todos à reflexão.

Em se tratando de posicionamentos políticos, o presidente voltou a incentivar seus liderados que administrem o tema de uma forma muito tranquila e responsável, sem exorcizar o sentimento que segundo ele é lídimo, necessário para a manutenção da obra em meio à sociedade.

“Alguns dizem que a política é coisa do diabo. Não é! A igreja precisa cumprir suas obrigações sociais. Não sou partidário deste ou daquele partido. Sou, sim, favorável ao melhor e que isso seja bom para toda a coletividade. Quando a política vai mal, todos sofremos. Fecharam milhares de empregos. Resultado: as contribuições caíram drasticamente e isso reflete em nossas gestões. Temos de orientar o nosso povo. Nesta seara, a única coisa que não admitirei é pastor passando o chapéu, pedindo vantagens particulares aos políticos. Precisamos celebrar parcerias mas com seriedade”, avisou.

Dentre outras medidas internas abordadas na primeira intervenção decorrente da pauta convencional, o pastor presidente adiantou que fachadas de templos e cores serão administradas em âmbito nacional. “Cada vez mais investiremos institucionalmente. Sem deixar a missão precípua que é evangelizar e ganhar almas, vamos procurar nos organizar cada vez mais”, completou.

Deixe seu comentário:
Célio Campos
Célio Campos
Jornalista, historiador, editor de Conteúdo do jornal O Arado e mestrando em Comunicação.
EBFO 2019