Fazendo sempre o que agrada a Deus

“…porque eu faço sempre o que lhe agrada” Jo.8:29c

Condicionar nossa vida ao que Jesus disse, é o caminho saudável para um estreito relacionamento com Deus.

“Porque eu faço sempre o que lhe agrada”. Palavras proferidas por Jesus, onde nos traz lições que são possíveis de se praticar. Jesus não falou de algo que não se dá para praticar, por isso Lucas já deixou registrado (At.1:1) sobre o que Jesus não só ensinou, mas fez.

Pelo modo de vida de Jesus que sempre agradou o Pai, podemos compreender suas palavras de três maneiras:

1 – Pensando na vontade

2 – Pensando no costume

3 – Pensando na renúncia.

Fazer sempre o que lhe agrada, está muito relacionado á vontade.

Fazer sempre o que lhe agrada, está muito relacionado ao costume.

Fazer sempre o que lhe agrada, está muito relacionado á renúncia.

Jesus fazia sempre o que agradava o Pai, porque sua vontade era ligada com a vontade do Pai. Ele conseguia perceber o que era a vontade do Pai, para um momento, para o dia e principalmente é claro para a sua vida.

Por isso não se admira da declaração de que ele tinha a vontade de Deus como “alimento”, pois está escrito “a minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra” (Jo.4:34), em contra partida em todas as suas obras, como homem, você podia notar o seu prazer na obra, na verdade um cumprimento claro do Sl.40:8 “Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração.”

Jesus fazia sempre o que agradava o Pai, por desenvolver uma disciplina que levou sua conduta ao chamado costume. Costume é conhecido nominalmente por “prática habitual”, “prática geralmente observada”, enfim, dado ao exíguo espaço, o foco é um “bom agir”. É exatamente o que se observa no ministério de Jesus, uma vida diária rica em costumes bons, sejam, ir ao templo como era de costume, orar, como era de costume, ensinar como era de costume, curar, como era de costume, pregar, como era de costume, e isso era quando? Sempre!

Agradar a Deus de vez em quando é comum. Agradar a Deus nos finais de semana é comum. Agradar a Deus no natal é comum. Mas, nossa luta está em agradar a Deus todo o dia. Talvez seja por isso que textos como estes a seguir, nos ajudam a partir para este “bom costume” (Sl.68:19;103:1-2; 116:12; 119:164;ITs.5:18).

Jesus fazia sempre o que agradava o Pai, porque pregava e vivia a renúncia. Em seu ensino disse “Assim, pois, qualquer de vós, que não renuncia a tudo quanto tem, não pode ser meu discípulo.” (Lc.14:33), além de renunciar a tudo quanto tem, em seu ensino também disse “Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me;” (Mt.16:24). As duas formas propostas por Jesus para se agradar o Pai, inclui, o desapego as coisas, e a desistência de seus próprios desejos pessoais em relação a si mesmo. Se quisermos fazer sempre o que agrada á Deus, precisamos seriamente de um tratamento sobre o que temos e sobre o que somos. Desistir de desistir. Parar de Parar. Na verdade esta é a luta com á renuncia, pois a vontade de desistir, deve ser vencida pela desistência de desistir, a mesma forma a vontade de parar, deve ser vencida com a vontade de parar.

Como anda nossa vontade, em relação á vontade que Deus quer em nós, e por nós?

Como anda nosso costume, em relação á forma que Deus espera nos entrar servindo? De vez em quando? Ás vezes? Ou sempre?

Como anda nossa confissão em renunciar as concupiscências mundanas pelo agrado do Pai?

Pense seriamente em estar “fazendo sempre o que agrada a Deus”.

Deixe seu comentário:
Fernando Cardoso
Fernando Cardoso
Casado, pai e serve a Deus na AD Perus Catedral.
EBFO 2019