Daniel, pois, quando soube que a escritura estava assinada, entrou em sua casa (ora, havia no seu quarto janelas abertas da banda de Jerusalém), e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças, diante do seu Deus, como também antes costumava fazer”.Dn 6:10

Quando vemos uma pessoa todos os dias, e temos o costume de conversar sempre que podemos, alguns assuntos tornam-se repetidos, as novas notícias, já não são tão novas assim. Mas algo desperta-me a curiosidade, lendo sobre o estilo de vida de Daniel.

Percebe-se que em seus hábitos, algumas coisas (dentre várias que encontramos), podemos trazer para nossa vida, quando analisamos que Daniel:

1 – Habituava-se a ter um lugar reservado para estar.

2 – Estava certo do propósito que lhe dominava para aquele momento.

3 – Executava com maestria atividades verticais em Deus.

Tomo tempo pensando nessas atividades, pois o texto aponta para a:

A) Rendição de Daniel diante de Deus, pois colocava-se de joelhos.

B) Atualização e aprendizado de Daniel em suas conversas com Deus, pois orava.

C) Satisfação de Daniel em Deus, pois tinha o hábito de dar graças.

Talvez dava graças a Deus por:

a) Por ter sido cativo na Babilônia, mas ter o seu coração longe da Babilônia.

b) Por ter amigos de Deus e não amigos babilônicos.

c) Por tê-lo guardado como Jovem, como adulto e agora com velho.

d) Por tê-lo dado graça diante dos homens sábios.

e) Por ter ainda que por pouco tempo, levado o ensino de seus pais sobre Deus.

f) Pelas experiências obtidas por meio da santificação.

g) Por tornar Deus conhecido na Babilônia.

f) Por não esconder de ninguém a sua fé.

g) Por ser o mesmo do início ao fim.

h) Por revelar os tesouros da obscuridade.

i) Por sua sobriedade.

j) Por sua maturidade.

k) Por sua fidelidade.

l) Por sua espiritualidade.

m) Por sua saúde.

n) Por seus acessos, entrando e saindo.

o) Por pode abrir as janelas para a banda de Jerusalém.

p) Por seus pensamentos acerca de Jerusalém.

q) Pelos céus abertos em seu quarto na Babilônia.

r) Por ter não só passado, mas influenciado os reis.

s) Por tê-lo feito estadista.

t) Por não permitir subir a cabeça qualquer ação por intermédio de sua vida.

u) Pela mudança de seu nome não ter influenciado a sua identidade.

v) Por ter contemplado o reconhecimento de Nabucodonosor ao Deus nos céus.

x) Por ter tido uma interpretação tremenda, dada pelo dono dos dedos que escreveram diante do castiçal na parede do palácio.

z) Pelo Espírito excelente, que gera luz, inteligência, inspiração, sabedoria e revelação.

a.a) Por não ter medo do que podia fazer o homem

a.b) Pela fé aumentada em cada fase.

a.c) Pela conexão com os céus.

a.d) Pelo desnudar pela revelação a complexa estátua de Nabucodonosor.

a.e) Pelos que o perseguiam tentando achar algum mal.

a.f) Pelos manjares rejeitados.

a.g) Pelas verduras aderidas.

a h) Pelas orações atendidas.

a.i) Pelos patriarcas.

a.j) Pelos anjos.

a.k) Pelos arcanjos.

a.l) Pelo templo.

a.m) Pelo tempo.

a.n)Pelo presente.

a.o) Pelo que há de vir.

a.p) Pelo ancião de dias.

a.q) Pelo trono de Deus.

a.r) Pelo poder de Deus.

a.s) Pelo amor de Deus.

a.t) Pela sabedoria de Deus.

a.u) Pela misericórdia de Deus.

a.v ) Pela graça de Deus.

a.x) Pela sua propria vida.
a.z) Pelas muitas vidas que ainda creriam em Deus.

Percebe-se que habituar-se, ter propósitos e exercer atividades verticais em Deus, são atitudes habituais de quem ora e não cessa de dar graças.

“…e dava graças…”

Até a próxima meditação.

Deixe seu comentário:
Fernando Cardoso
Fernando Cardoso
Casado, pai e serve a Deus na AD Perus Catedral.
EBFO 2020