Abertura oficial da EBFO/Convenção 2018 se processou sob plenitude e exortações

EBFO & Convenção Brasil 2018

DA REDAÇÃO – Sob o eixo temático central “A Excelência da Ética Cristã”, foram abertos na noite de sexta-feira, 9, os trabalhos concernentes à edição anual da Escola Bíblica Fraternal de Obreiros (EBFO) e Convenção Nacional da Assembléia de Deus do Ministério de Perus (CONADEMP). O evento, seguramente o maior que o ministério realiza em sua sede, perdurará até domingo, 12. Estudos aprofundados perante á palavra, reciclagens de obreiros e lideranças, separações de obreiros, assembleia convencional e diretrizes para o bom andamento da obra são ocorrências pautadas no período.

Após o hino tema ter sido entoado com acompanhamento da orquestra e na voz do pastor Arnaldo Ferreira, foi procedida a leitura do tema oficial junto ao livro de Romanos. O pastor vice-presidente, Joinville Albernaz, se encarregou de efetuar a leitura. Destaque a todos os membros da Mesa Diretora, que exibiram gravatas na cor vermelha, medida que projetou-os de uma forma discreta e eficiente. A palavra de oração ficou á conta do pastor Israel Januário da Fonseca (Consultor Doutrinário).

Alternando a ordem dos procedimentos, a oportunidade sorriu ao quarteto “Gileade” (Goiás/GO). O cerimonial introduziu irmãs uniformizadas ao templo as quais formaram “corredores humanos” por onde adentraram ao templo-sede os pastores membros da Presidência. Ao som do hino 409 da Harpa Cristã (Trabalhadores do Evangelho), ocuparam lugares à Mesa principal. O pastor Geremias Tiófilo Pereira entoou o hino. Seguiram-se as introduções de um exemplar de a Bíblia Sagrada e dos pavilhões. O Hino Nacional Brasileiro foi entoado e os trabalhos inaugurados.

Abertura da EBFO 2018

Abertura da EBFO & Convenção foi marcada por entrada de bandeiras e diretoria da AD Perus

O presidente se encarregou de denominar todos os membros da Mesa Diretora. Sem economizar, declinou todos os nomes. Também apresentou todos os pastores de campos regionais e de regionais que assinalaram presenças. A EBFO/Convenção 18 configurou-se em recorde prévio de inscrições mediante mapas compartilhados pela assessoria junto ao presidente.

Pr. Dr. Elias Cardoso

Pr. Israel J. da Fonseca

Três vigílias foram programadas durante o evento: sexta para sábado, sábado para domingo e de domingo para segunda-feira. Destacou a importância do “Relógio da Oração”. O pastor Elias Cardoso disse que “tem crente virando girafa, isto é, que não dobra as pernas de forma alguma mais. Vamos retomar esse costume em nome de Jesus”, prometeu. Uma fala em nível de saudação contemplou o pastor presidente de honra da AD Perus, Jorge Gomes dos Santos.

Pastor Israel Januário testemunhou, destacando a importância em se dar instrução ao povo. Recordou sua adesão à obra que completou 51 anos, sempre destacando que desejava aprender para falar. “Comentava com os irmãos a minha vontade em falar ao povo. Recomendaram que eu deveria orar, jejuar, consagrar e na hora que abrisse a Bíblia o Espírito Santo me daria a mensagem. Não ocorreu nada. Fui ler, estudar as Sagradas Escrituras com propriedade, e aí sim o espírito do Senhor nos iluminou para falarmos algo. Leio Bíblia há 51 anos e aprendo diariamente. Quem não se assenta para aprender, nunca deveria se levantar para ensinar, porque para ensinar precisamos primeiramente aprender”, destacou.

Mensagem Oficial

 

Alegando ter perdido a conta de quantas EBFO’s participou na Catedral, e de pronto pregou Gênesis 24: 15, 16 e 58. “Hoje tenho uma palavra pastoral, contudo avivada”, iniciou.
As características da verdadeira igreja foi o tema que escolheu para pregar. Na esteira, falou sobre vários artigos que resultam da ‘indústria da falsificação’. “E o evangelho falso é outro subproduto em vigor, não tem como negar. O que faz a grande diferença, formosa à vista é viver em santidade, não conjumina, não abraça nem aceita o mundo. É uma igreja separada do mundo”, frisou.

Falando sobre progressão espiritual, disse que muitos oram pedindo que Deus faça cumprir em si a sua vontade. “Oras, a vontade já é conhecida – a santificação sem a qual ninguém verá o Senhor. Temos de exalar a formosura à vista, mediante unção e santidade. Não nos limitamos à arquitetura, músicas lindas mas à unção que chama a atenção. Tem muitos Moisés andando por aí mas a sarça tem de pegar fogo. Quem pertence à igreja ungida faz toda a diferença. Ela não é coletiva mas individual; quem tem, tem; quem não tem fica olhando”, disparou.

Interativo, apontou para os bons costumes da igreja. Citando a carta paulina aos corintos, disse que as más conversações corrompem os bons costumes. “Não se banhar, não escovar os dentes, falar dos outros, navegando na net, andar na hora da mensagem são exemplos clássicos de maus costumes. Já a igreja verdadeira conserva os bons costumes”, comparou. Contou que prega há quase 30 anos. “E quero perseguir os bons costumes até a volta de Cristo. Igreja verdadeira mantém em pauta os bons costumes”.

Pr. Nerildo Accioly

Pr. Nerildo Accioly ministrou na abertura da EBFO Convenção Brasil 2018

Combatendo divisões, oposições, levantes contra a liderança, disse que tem uma geração de crentes cheios de ‘mimimi’. Que se entristecem a qualquer coisa. “Tem gente triste com o emprego mas não perde a conta; tá triste com o time que torce mas não vira a casaca. Estranhamente, quando o assunto é igreja, o simples fato de não ser contemplado com uma saudação da parte de um irmão já é motivo para rebelar-se, desviar-se. Meu Deus, o que é isso”?

Enfático, disparou: “Vocês, do alto do respeito que lhes é devido, não são donos da igreja. A igreja é do Senhor, que nos chamou pelo nome. A edificação da autêntica igreja cujas portas infernais não prevalecem é de propriedade do Senhor Jesus. Ninguém é dono da igreja. Gente que não tem furos nas mãos, nos pés e não tem furo ao lado do corpo não pode ser dono de igreja. A verdadeira igreja é mantida por conta de seu autêntico dono. Ela funciona, cura, é um hospital espiritual, compreendendo desde a pediatria à maternidade”, comparou, com autoridade.

Encaminhando para o fechamento, deixou as características e analisou as atitudes da verdadeira igreja. “A igreja verdadeira precisa descer às fontes da oração – ore com vontade, ore sem vontade e ore até conseguir vontade; fonte da palavra – vivemos falta de identidade, a crise do modismo em nome de um falso avivamento e crise da falta da palavra autêntica; fonte do Espírito Santo – a igreja cheia aprende a frear a sua língua, igreja pentecostal valoriza demais o talento e nem sempre valoriza o caráter”, orientou, sob um avivamento fenomenal.

Deixe seu comentário:
Célio Campos
Célio Campos
Jornalista, historiador, editor de Conteúdo do jornal O Arado e mestrando em Comunicação.
EBFO 2019