Institucional

1947 – O início de tudo. Nascia o Ministério de Perus

Resultante da fé nas promessas divinas, obreiros chegam ao bairro e encontram famílias como Morales Rodrigues, Ferreira, Justino, Teófilo e outras que se reuniam em residências para celebrar cultos ao Senhor. Na liderança, um obreiro chamado Manoel Léria que enviado por São Caetano do Sul/SP, comparecia a Perus em meio às grandes dificuldades para dar assistência espiritual aos irmãos.

Por decisões administrativas, houveram mudanças e este deu lugar a Alfredo Orlando. O evangelismo, a comunhão, o partir do pão e as orações seguiam. Os irmãos faziam a sua parte e Jesus a dele, tanto que vidas eram salvas pelo poder da palavra.

Com visível crescimento, o grupo de pessoas não mais consegue espaço físico nas residências e se vêem obrigados a alugar um local. Na então Estrada da Fazendinha (hoje Fiorelli Peccicacco), alugam um pequeno salão. Cultos fervorosos, evangelismo maciço e em pouco tempo a sede no ABC efetua nova troca – manda a Perus o então presbítero Manoel Cordeiro de Lima, que trabalhou até 1950. Dali para frente, o evangelista Benjamim Felipe Rodrigues (foto), junto da esposa, Rosalina Militão Rodrigues, assumem o trabalho e passam a escrever uma história sem precedentes em nível de Assembléia de Deus.

Em 1951, tão logo oficializou o primeiro batismo no bairro, quando 18 novos convertidos cumpriram a justiça divina, tornou-se necessária a aquisição do templo da rua Santa Terezinha, 39, que por 24 anos funcionou como sede do trabalho. Jesus salvava cada dia mais e a membrasia já chegava à primeira centena. Foi construído à uma velocidade incrível – em dois anos os irmãos estavam congregando. Mais conversões e ampliação em 1958.

À vista de todos que a confirmação divina era fato, a liderança em São Caetano do Sul concedeu autonomia jurídico-administrativa a Perus em 1959. Animados e mediante abertura de novas igrejas, membros passaram a pedir que o Senhor preparasse um terreno maior para a futura sede nacional. Orações, contribuições e desafios levaram o presidente a adquirir o imóvel à rua João Batista Fanton.

Mesmo diante de uma dificuldade enorme, durante seis ininterruptos e inesquecíveis anos (1969 – 1975), construiu-se o templo atual, inaugurado aos 7 de setembro de 1975 – verdadeiro marco na cidade de São Paulo e Brasil, em se tratando de igreja evangélica. Presenças de autoridades eclesiásticas no descerramento da placa e desatamento da fita inaugural, como o presidente da Conamad, pastor Paulo Leivas Macalão, da Cormesp, pastor Lupércio Vergniano dentre outras ilustres personalidades. O acontecimento parou o bairro literalmente.

Em 2002, o Senhor recolheu para si o pastor Benjamim. Ao mesmo tempo, levantou o sucessor, pastor doutor Elias Cardoso, que não apenas deu seqüência ao trabalho como empreendeu sangue novo à obra. De forma coerente e sob direção divina, soube realocar todos os membros da diretoria anterior em funções estratégicas na estrutura da igreja. Promoveu reformas estatutárias, eclesiásticas e regimentais, reordenou departamentos e aliou a força da juventude com a experiência de homens de Deus. Resultado: o ministério cresceu, se estruturou e hoje todos atuam em prol de um maravilhoso desafio – concluir a Catedral, cujas obras não param.

Perus alcançou países na América do Sul, Europa, África, Ásia e manteve firme o propósito que norteou a chegada da Assembléia de Deus no Brasil, há cem anos, ou seja, cuidou da doutrina, se manteve fiel sempre e tem sido honrada pelo Senhor mediante promessas que se cumprem a cada dia. Sem que haja a necessidade de cultuar a quem quer que seja ao longo desses venturosos 69 anos senão ao Eterno.